28 ago

Parte 3: Erlangen, Alemanha.

 

Entre maio e junho de 2014, a Quadrinhofilia participou de eventos na França, Alemanha e Portugal abrindo exposição do trabalho de José Aguiar e divulgando os quadrinhos brasileiros na Europa em debates e sessões de autógrafos.

 

 

 

Nossa turnê se encerrou no Salão Internacional de Quadrinhos de Erlangen, na Alemanha, que aconteceu entre 19 e 22 de junho. O festival, que é o mais importante do gênero em seu país, é uma bienal realizada na pequenina cidade de Erlangen, na Baviera. Trata-se de outra cidade que cresce em função dos quadrinhos durante a realização do seu festival. Dos três eventos que visitamos, esse foi o festival de vocação comercial mais evidente e, por que não, eficiente. Era geral a declaração de autores e editores de que se trata de um mercado editorial pequeno. Se for para julgar a partir da quantidade e qualidade dos estandes presentes no evento, trata-se de um mercado extremamente organizado, que sabe aproveitar o potencial de seus artistas, pois a esmagadora maioria de autores eram de origem alemã. O que se traduz em diversidade e também em qualidade do material editado.

A Quadrinhofilia tem uma relação de proximidade com os autores alemães e com a Alemanha, principalmente com a edição e colaboração dos livros Reisetagebuch – Uma Viagem Ilustrada pela Alemanha (Ed. Quadrinhofilia) e o projeto Osmose – Brasil e Alemanha em Quadrinhos (Ed. Libretos), um intercâmbio de autores dos dois países que contou com sua coordenação editorial. Recentemente realizamos a curadoria da exposição Quadrinhos Autorias Alemães, reunindo 09 dos expoentes da geração atual dos quadrinhos alemães. Sobre esses trabalhos, José Aguiar explica:

 

“Há anos temos trabalhado em parceria com o Goethe-Institut, ajudando a receber autores da Alemanha em Curitiba, seja em seus eventos ou na Gibicon, a convenção internacional de quadrinhos que ajudamos a estabelecer na cidade. Agora estou reencontrando esses autores, que se tornaram amigos, visitando seus espaços de trabalho e trocando ideias. Essa é uma vivência incrível como artista. O tempo em que morei na Alemanha e realizei meu diário de viagem ilustrado foi um momento de virada na minha carreira, que me mostrou o quanto o intercâmbio cultural é importante para o desenvolvimento de um artista.”

 

Ao trazer essa mostra a Curitiba reforçamos o intercâmbio cultural entre nossos países, que ainda conhecem pouco da atual produção de HQs de cada um. Se por um lado, poucos desses autores são publicados no Brasil, desde 2010 Curitiba tem conhecimento privilegiado de alguns deles através do Goethe-Institut que já trouxe Flix, Ulli Lust, Isabel Kreist, Mawil e Jens Harder à cidade para palestrar, realizar workshops e exposições.

 

Erlangen já deixou saudades, mas em 2016 tem mais!

 

Agradecemos imensamente ao nosso parceiro Goethe-Institut Curitiba, e sua diretora Claudia Römmelt, que nos apoiou em nossa etapa na Alemanha! Um capítulo muito importante durante nossa jornada desbravando o mercado europeu de quadrinhos.

06 Mar